O aparecimento de um estado inflamatório agudo como indicativo de melhora em casos de dermatite atópica sob tratamento com a homeopatia clássica: uma série de casos

O aparecimento de um estado inflamatório agudo como indicativo de melhora em casos de dermatite atópica sob tratamento com a homeopatia clássica: uma série de casos

Seema Mahesh1,2, Mahesh Mallappa2, Olga Habchi3, Vasiliki Konstanta4, Cristina Chise5, Panagiota Sykiotou6 e George Vithoulkas7,8
1School of Medicine, Faculty of Health and Medical Sciences, Taylor’s University, Subang Jaya, Malaysia. 2Centre for Classical Homeopathy, Bangalore, India. 3The Modern Medical Consultation Centre, Dubai, UAE. 4Homeopathic Centre of Classical Homeopathy, Athens, Greece. 5Arizona Homeopathy, Phoenix, AZ, USA. 6Homeopathic Centre of Classical Homeopathy, Athens, Greece. 7Postgraduate Doctors’ Training Institute, Health Care Ministry of the Chuvash Republic, Cheboksary, Russian Federation. 8International Academy of Classical Homeopathy, Alonissos, Greece.


RESUMO: A teoria do continuum e a teoria dos Níveis de Saúde propõem a ideia de que o retorno de uma inflamação aguda eficiente (febre alta) anuncia uma melhora verdadeira dos estados inflamatórios crônicos. Apresentamos seis casos de dermatite atópica que tiveram melhora estável por um ano, ou mais, sob tratamento com homeopatia clássica. Os casos foram avaliados retrospectivamente, com seleção baseada em critérios diagnósticos de Hanifin-Rajka para dermatite atópica, e acompanhamentos avaliados segundo as mudanças no SCORAD (SCORing Atopic Dermatitis). As imagens são apresentadas como evidências. O Critério Naranjo Modificado para avaliação da atribuição causal de resultados clínicos à intervenção homeopática foi utilizado para analisar os efeitos da homeopatia nestes casos. Todos os casos melhoraram e estabilizaram, com depuração completa da pele (os que tiveram recidiva dentro de um ano não foram incluídos). Esses pacientes não apresentavam febre alta/doenças inflamatórias agudas desde o início/agravamento da dermatite atópica. Cinco dos seis casos desenvolveram doenças inflamatórias agudas à medida que a condição crônica melhorava. O último caso apresentou o retorno de uma patologia antiga, mais leve. Os casos-controle – que foram selecionados por não melhora com homeopatia clássica – também mostraram depuração cutânea notável quando surgiram estados inflamatórios agudos. Neste artigo, há uma relação mutuamente exclusiva entre inflamação aguda eficiente e inflamação crônica, que estão em acordo com as duas teorias aqui consideradas. Outros estudos científicos são necessários para confirmar o fenômeno a nível tecidual.


PALAVRAS-CHAVE: Dermatite atópica, eczema, homeopatia, inflamação
RECEBIDO em 6 de novembro de 2020. ACEITO em 18 de janeiro 2021.
TIPO: Relato de caso
FINANCIAMENTO: Os autores não receberam nenhum suporte financeiro para a pesquisa, autoria e/ou publicação deste artigo.
DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES: Os autores não declararam nenhum potencial conflito de interesses em relação à pesquisa, autoria e/ou publicação deste artigo.
AUTOR CORRESPONDENTE: Seema Mahesh, School of Medicine, Faculty of Health and Medical Sciences, Taylor’s University, 1 Jalan Taylors, 47500 Subang Jaya, Selangor, Malaysia. Email: bhatseema@hotmail.com

Histórico
A ideia de que o início de doenças inflamatórias crônicas implica na ausência de resposta imunológica aguda eficiente foi proposta por Vithoulkas e Carlino1. A teoria também propõe que quando sob tratamento com homeopatia clássica, à medida que a condição inflamatória crônica melhora, a habilidade do organismo de instalar uma resposta inflamatória aguda eficiente ao estímulo patogênico, retorna; este é um fenômeno clínico concreto, que confirma a melhora estável da doença crônica em questão.
Este estudo teve por objetivo explorar se tal correlação era realmente possível de ser compreendida em situações reais, através da análise de casos de dermatite atópica. O critério de inclusão para o estudo foi – estabilidade na melhora da dermatite atópica por pelo menos um ano após o tratamento com homeopatia clássica.
A dermatite atópica é uma doença inflamatória crônica,2 que afeta, mundialmente, mais de 20% das crianças e 3% adultos.3 Muitas vezes, é o primeiro passo para condições alérgicas (alergia a alimentos, asma, renite alérgica, conjuntivite alérgica e esofagite eosinofílica).3 Geralmente, segue o curso de recidivas crônicas e é somente controlada, não curada, pelo tratamento convencional. 3,4 Pesquisas recentes mostram que a atopia representa envolvimento sistêmico e não restrito à apenas afecções cutâneas. Diversas comorbidades (cardiovasculares, neuropsiquiátricas, malignidades, etc.), associadas à dermatite atópica parecem confirmar o acometimento sistêmico.5 Em termos de tratamento, o controle do prurido é especialmente desafiador nesses casos, apesar das muitas soluções terapêuticas oferecidas. Os mastócitos, responsáveis pelo início e ampliação da resposta alérgica, liberam muitos pruritogênios. Classicamente, pensava-se que a histamina produzia a sensação de prurido, através de seus receptores nos neurônios sensitivos, e anti-histaminas H1 eram aplicadas para o controle do prurido relacionado à dermatite atópica. No entanto, isso tem sido clinicamente desanimador. Estudos recentes têm revelado o papel das interleucinas liberadas pelos mastócitos na geração do prurido, na dermatite atópica, e novas estratégias de tratamento envolvendo o bloqueio dessas interleucinas estão sendo desenvolvidas.6-8
Figura 1. Gráfico SCORAD de todos os casos Figura 2. Correlação de doenças agudas com o SCORAD.

Além disso, estudos têm mostrado que, embora haja evidências de pessoas com dermatite atópica adquirindo sensibilidade aos alergênicos, mais de 20% deles não estão. Isso sugere que a doença tem fenótipos variados e existe uma necessidade de adaptar o tratamento para a constituição genética e fenotípica de cada indivíduo.4 Pesquisadores concordam que a dermatite atópica é o resultado de uma constituição alérgica, e essa tendência para alergias precisa ser tratada. 3
Na homeopatia clássica, os atributos hereditários completos e a apresentação fenotípica de um paciente (apresentação sintomática peculiar) são estudados em detalhes, e o remédio selecionado é individualizado no mais elevado grau clinicamente possível.9 Existem relatos demonstrando possibilidades similares em outras patologias dermatológicas, como o vitiligo. 10


Conduzimos uma análise retrospectiva de casos de dermatite atópica a partir de registros clínicos que estão aqui apresentados como uma série de seis casos diagnosticados com dermatite atópica, reconfirmados por plotagem retrospectiva mediante o critério de Hanifin-Rajka para dermatite atópica. Todos eles estavam estáveis há um ano ou mais, pelo tratamento individualizado com homeopatia clássica. Os resultados foram avaliados no escore para dermatite atópica (SCORAD)11 (Figura 1). Por fim, os casos foram avaliados quanto ao desenvolvimento de alguma doença inflamatória aguda e sua correlação com o SCORAD, indicativo da doença inflamatória crônica em questão (Figura 2).


A fim de verificar se isso seria válido para toda inflamação aguda, nós avaliamos a mesma associação em casos que não estavam melhorando com o tratamento homeopático.
O objetivo deste estudo foi analisar se existe relação entre o início de uma inflamação aguda eficiente e a melhora na doença inflamatória crônica (neste caso, a dermatite atópica), a partir de cenários reais.

Série de casos
A série de casos envolveu seis pacientes sob tratamento com homeopática clássica. O critério de inclusão foi a melhora da dermatite atópica por um ano ou mais, após o término do tratamento. A Tabela 1 mostra os detalhes das características dos pacientes. A idade dos pacientes variou entre 3 meses e 39 anos. Um deles era do sexo masculino. O diagnóstico de dermatite atópica foi retrospectivamente confirmado utilizando-se o critério de Hanifin-Rajka 12 (Tabela 2). Nenhum desses pacientes estava sob uso de agentes farmacológicos para sua patologia no momento da consulta ou durante os acompanhamentos. Nenhum deles desenvolveu reações adversas durante o tratamento. A severidade da dermatite atópica foi avaliada utilizando-se a escala SCORAD, e o progresso deles foi registrado em conformidade (Figuras 3-8). Os escores clínicos que não foram avaliados durante a consulta foram avaliados retrospectivamente, segundo descrição detalhada dos registros clínicos e fotografias.


VEJA TODOS OS CASOS COM SUAS FOTOS E GRAFICOS NO SITE DA ACADEMIA: https://www.vithoulkas.com/research/clinical-cases/appearance-acute-inflammatory-state-indicates-improvement-atopic-dermatitis

ou me solicite por e-mail: contato@homeosapiens.com.br

writer_only
writer_only